Ainda o casamento gay

pareamentoEm vários artigos manifestei aqui a minha opinião de que a união entre pessoas do mesmo sexo é fundamentalmente diferente da união entre pessoas de sexo diferente e que, como tal, as leis que regulam uma e outra devem ser diferentes, bem assim as suas designações oficiais. Neste momento são conhecidas três iniciativas legislativas, todas coxas na minha opinião.

Do lado do PS vem a tentativa incongruente de modificar o Código Civil, por forma a eliminar a referência ao sexo das pessoas que contraem casamento, para, na mesma lei, criar uma diferenciação no que se refere ao direito de adopção. Apetece perguntar em que ficamos, se o sexo tem ou não a ver com o contrato de casamento. É claro como água que a intenção é de fazer agora aprovar esta lei coxa para depois eliminar a restrição à adopção, mas eu entendo que as diferenças entre união homossexual e heterossexual são muito mais profundas e que a distinção se justifica, independentemente de pares homossexuais poderem ou não adoptar.

Do PSD vem a proposta de União Civil Registada mas, por amor de Deus; duas pessoas do mesmo sexo que se unam como vão chamar ao acto? Por outro lado, existindo já a União de Facto, parece-me a designação proposta profundamente infeliz; foi por isso que há muito tempo propus a designação Pareamento. A proposta mais recente está aqui.

Por iniciativa da Plataforma Cidadania e Casamento Homossexual foi aberto um abaixo assinado para a realização de um referendo sobre o casamento homossexual, que reuniu mais de 90 mil assinaturas. A realização de um referendo parece-me completamente despropositada, cara e presumo que sem consequências devido a uma abstenção elevada. Referendar o quê? O casamento homossexual? A rejeição significará que os homossexuais não têm direito a unir-se com base legal ou simplesmente que a palavra casamento não pode ser usada para essa situação? Eu não saberia como votar.

Anúncios

8 comentários

Filed under sociedade, Uncategorized

8 responses to “Ainda o casamento gay

  1. Fred

    Da mesma forma restringimos o casamento somente aos heterossexuais porquê?
    Se a resposta é procriar então não devemos permitir que casais com problemas de fertilidade ou demasiado velhos não tenham filhos?

    Se a resposta são as sexualidades então estamos a resumir o casamento ao que se passa na cama ou ao facto do objecto de afecto ser do mesmo sexo.

    Quer-me parecer que ambos, por si, são errados, e independentemente de quaisquer referendos não cabe à maioria estar a discutir o direito de se casarem da mesma forma que não espero poder vir a votar nos direitos dela.

    • José B. Almeida

      Quando me refiro ao meu estado civil pretendo que a palavra que uso não deixe dúvidas de que estou unido a uma mulher; considero isso um direito porque foi dentro desse pressuposto que celebrei um contrato de casamento. A alteração do Código Civil vai fazer que as uniões hetero e homossexuais sejam indistintas à face da lei e eu acho que fiz tudo quanto podia para tentar evitar que tal acontecesse.
      Uma vez que perdi, resta-me passar a usar outra designação para a minha união, o que ninguém pode impedir; agora passei a dizer que sou DESPOSADO. No Facebook existe um grupo OS DESPOSADOS, de pessoas que pensam como eu.

  2. Ricardo

    Gostava de saber se homossexual não é o mesmo de ser panaleiro, ou gostar de levar no cu.
    Não sei porque lhes chamam isso.

    ha 20 anos atraz ser paneleiro era uma vergonha, agora esses não ha vergonha nenhuma, daqui a 20 anos vai ser obrigatório.

    • José B. Almeida

      De facto, a palavra homossexual aplica-se tanto a homens como mulheres, desde que seja uma relação entre pessoas do mesmo sexo. Por outro lado é uma designação erudita, enquanto o Sr. Ricardo refere designações que podem ser classificadas como calão.

      Quanto a ser vergonha ou não, cada um sabe de si e eu não quero levar a discussão para esse lado. Entendo que homossexuais têm o direito a unir-se com base num enquadramento legal, apenas não aceito que esse enquadramento seja o da lei que regula as uniões heterossexuais. Foi por isso que tomei a iniciativa de propor que se legalizasse o PAREAMENTO, que é a palavra portuguesa que designa a formação de um par.

      • Fred

        Não seja tão contido.

        Chamar-se alguém de “homossexual” não se trata duma expressão erudita da mesma forma que “paneleiro” não é calão.

        É uma diferença entre a palavra corrente que vem no diccionário e um nome pejorativo para tentar insultar os homossexuais.

  3. Registo as alegadas incongruências mas não constatei uma alternativa.

    O referendo teria duas perguntas: a primeira é se se concorda com a equiparação da união homossexual ao casamento civil. A segunda é se se concorda com a criação de uma nova figura jurídica. a União Civil.

    Em Inglaterra existe o Civil Union para os homossexuais, e Marriage para os restantes. É só copiar (com a excepção da adopção, que existe em Inglaterra).

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s