Uma Deusa na Bruma

Uma Deusa na Bruma

João Aguiar volta aos tempos de Viriato, desta vez para nos contar uma história vivida nas povoações catrejas de Entre-Douro-e-Minho. O essencial da acção passa-se na povoação de Tarróbriga, nome inventado para a povoação que existiu no local do Castro de Tarroso, próximo da Póvoa do Varzim.

Os povos dos castros pré-romanos orientavam as suas vidas pelos ditames dos Deuses, os quais eram interpretados pelos augúrios e presságios, a que só alguns tinham acesso. Túrio é, desde que nasce, um rapaz diferente dos outros, com um ar frágil, certamente pouco vocacionado para a guerra e para a caça, mas é frequentemente visitado por Deuses, que falam pela sua boca mas não com a sua voz.

A importância de Túrio vem a ser reconhecida pelos Cpmpanheiros de Bandua, que se juntam a Viriato para combater os Romanos. A morte de Viriato, à traição, permite que os Romanos comecem a desbaratar os combatentes mal organizados da Lusitânia e, gradualmente, vão ocupando e destruindo todas as povoações por onde passam; Tarróbriga acaba também por ser incendiada. O Rio Lima, conhecido como o Rio do Esquecimento, deveria proporcionar uma última defesa contra os Romanos, porque não seria possível atravessá-lo sem conhecer os rituais propiciatórios; isto vem a revelar-se falso e o rio é atravessado sem dificuldade pelas tropas de Roma.

Anúncios

Deixe um comentário

Filed under Uncategorized

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s